logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Após quase morrer por coma alcóolico, universitária faz apelo a jovens e viraliza;

hanna-lottritz-hospital-tease-160115 262cbfb90a73ca67cf0397170ba139ed.today-inline-large2x

A última coisa que Hanna Lottritz, de 21 anos, se lembra da excursão com os amigos é de beber no gargalo de uma garrafa de uísque. A estudante universitária consumiu tanto álcool naquela noite que os médicos acharam que ela estava clinicamente morta, quando chegou ao hospital. Segundo o jornal Today, a jovem Hanna ainda ficaria em coma pelas próximas 24 horas.

Em seu blog, Hanna desabafou: “Hoje eu estou viva porque meus amigos me ajudaram. Não perca uma chance, se você vir um amigo passando mal ou desmaiando por beber demais. É importante obter ajuda o mais rápido possível. Eu tenho muita sorte de ter tido uma recuperação completa, mas eu sei que há outros que não terão tanta sorte.”

E seguiu. “Então, por favor, beba com responsabilidade e se assegure de que seus amigos também. Cuide de seus amigos, familiares, e até mesmo de estranhos, quando você suspeitar que possam estar sofrendo de envenenamento por álcool”, publicou na sua página.

Ao jornal Today, a estudante revelou que aprendeu que isso pode acontecer com qualquer um. “Antes, eu realmente não achava que isso poderia acontecer comigo", disse.

O evento que determinou essa "mudança de vida", aconteceu em julho passado. Lottritz, estudante de jornalismo na Universidade de Nevada, nos Estados Unidos, foi em excursão com os amigos para um dia de diversão e uma noite no Festival de Música de campo em Yerington. Ela bebeu duas cervejas no concerto e depois acabou com um grupo de pessoas em um parque de campismo, achando que pudesse beber no ritmo de todos.

Lottritz dava goles em uma garrafa de uísque. Amigos mais tarde lhe disseram que ela também bebia um copo com líquido vermelho. Ela caiu cinco minutos mais tarde, quando a levaram para a tenda médica. Ela já não estava respirando.

A estudante universitária estava em estado crítico, quando chegou em um hospital de Reno, sofrendo de insuficiência respiratória e intoxicação alcoólica aguda. Sua concentração de álcool no sangue era cinco vezes acima do limite legal. Ela estava completamente indiferente.

“Eu finalmente acordei cerca de 24 horas depois que eu cheguei no hospital. Eu tinha um tubo na minha garganta e minhas mãos estavam presas, para que eu não pudesse retirá-lo", escreveu Lottritz. "Eles me disseram que não acharam que eu sobreviveria quando cheguei e me perguntaram se eu estava tentando me matar por beber tanto. Isso me atingiu em cheio.”

Lottritz tinha 16 anos quando ela começou a beber álcool de forma recreativa, disse ela. Na faculdade, ela bebia cerca de uma vez por mês, mas nunca ao ponto que chegou essa noite. Ela acrescentou: já tinha vomitado por beber demais uma vez, mas nunca tinha desmaiado.

Ela escreveu ela não percebia a importância de beber com responsabilidade até que ela saiu do coma. Sua irmã foi quem tirou a foto dela espalhada na cama do hospital. "Ela queria me mostrar quando eu acordei, e queria me certificar de que eu sabia como era sério. E definitivamente funcionou", disse Lottritz.