logo fm91 logo 1500am whats-radio

PASSO FUNDO - Mulher é presa suspeita de mandar matar ex-marido

passo fundo

 

Três pessoas foram presas no sábado (26) suspeitas de participação na morte de um homem de 35 anos no começo deste mês em Passo Fundo. Uma delas é ex-mulher da vítima, que seria a mandante do crime, junto com o atual companheiro. O outro preso é um amigo deles, de 33 anos, apontado como o intermediador entre o executor e o casal. Já um jovem de 19 anos, suspeito de efetuar o disparo, foi preso na semana passada. 
A polícia conseguiu chegar até o grupo após uma testemunha anotar a placa do carro utilizado pelo atirador. Conforme a delegada Daniela Mineto, o veículo - em situação de roubo e com placas clonadas - foi localizado na residência de um parente dele. Em seguida, o jovem foi localizado pela Brigada Militar e foi levado para a delegacia. 
Em depoimento, o jovem relatou que foi procurado pelo amigo do casal que ofereceu R$ 600 para "dar um susto" no homem. A delegada observa que ele chegou a receber o dinheiro, mas queria mais devido a morte.

"Ele não conhecia casal que encomendou, mas indicou o intermediário", disse. A partir dele, a polícia chegou à mulher e ao atual companheiro dela. Segundo a polícia, o atirador só tinha uma foto do alvo e seu endereço, entregue pela mulher.
O crime ocorreu no dia 7 de novembro. A vítima foi baleada na porta de casa após ser abordada por um homem que o questionava sobre casas para alugar. A enteada de 8 anos presenciou o crime. Ele chegou a ser levado para o hospital, onde chegou sem vida. 
A delegada observa que a mulher não tinha um bom relacionamento com o ex-marido após a separação, ocorrida mais de um ano e cinco meses. "Ela até conseguiu suspender as visitas do pai com as crianças, um casal de gêmeos, o que foi revertido depois", comentou.
Durante as buscas ao trio, a polícia apreendeu duas armas de fogo: um revólver 38 e outro 44. Na delegacia, a mulher e o atual companheiro ficam em silêncio.

Agora, a polícia vai indiciar os quatro por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, mediante pagamento ou recompensa e ainda por circunstância que dificultou defesa da vítima.

INFORMAÇÕES: G1