logo fm91 logo 1500am whats-radio

Leite Compensado 12: MP deflagra operação contra indústrias que misturavam soda cáustica no leite vencido

leite compensado

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) deflagrou na manhã desta terça-feira (14) a 12ª fase da Operação Leite Compensado. Um dos principais alvos é a Laticínios Rancho Belo Ltda, de Travesseiro, no Vale do Taquari.

A indústria é apontada por produzir leite, creme de leite e queijo com água e produtos vencidos, que eram adicionados a soda cáustica e bicarbonato de sódio. Além da própria marca, a empresa fabrica e envaza leite para a rede de supermercados Dia%. Amostras confirmaram produto impróprio para o consumo.

As outras marcas que também tiveram produtos com a mistura ilegal, conforme exame laboratorial, são Bonilé Alimentos (queijo e creme de leite) e Princesul (queijo). Também foram alvos da operação a Transportadora AC Tressoldi e a M&M Assessoria. A ação ocorre em cinco cidades gaúchas. Além de Travesseiro, em Estrela, também no Vale do Taquari, e em Nova Araçá, Casca e Marau, no norte gaúcho. Foram cumpridos quatro mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. Uma pessoa segue foragida.

Apreensões 

Além do Laticínios Rancho Belo, as buscas e apreensões ocorrem no Laticínios Modena, de Nova Araçá, que produz creme de leite e queijo da marca Bonilé; no Laticínios C&P, de Casca, que produz queijo Princesul; na transportadora AC Tressoldi, de Estrela, e na empresa M&M Assessoria, de Marau, vinculada ao Laticínios Modena.

A indústria Rancho Belo foi interditada.  Além disso, cinco toneladas de queijo impróprio para consumo foram apreendidas no Laticínio C&P.

Fraude

Em mais de dez análises emitidas pelo Ministério da Agricultura foram detectados que leite cru, leite UHT e nata estavam fora dos padrões.

“Os sócios-proprietários das empresas autorizavam a adição desses produtos para corrigir a acidez e eliminar microorganismos, no intuito de rejuvenescer o produto já vencido, impróprio para o consumo”, destaca o promotor Alcindo Bastos Filho, também responsável pela investigação.

No caso da água, o líquido era adicionado aos produtos para que o creme de leite duro, já amanteigado, fosse novamente amolecido e misturado a outras cargas em condições melhores. Os laudos realizados pelas próprias empresas eram mascarados, para que fiscalização e compradores não visualizassem os problemas.

A Leite Compensado 12 é realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco Segurança Alimentar do MP,  com participação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Receita Estadual e Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

Segundo o MP, a partir de agora o Ministério da Agricultura fará o rastreamento do leite fornecido pelas três indústrias, inclusive o produto recebido pela rede %Dia. Somente depois disso, poderá se confirmar se lotes com problema foram comercializados nos supermercados.

INFORMAÇÕES: GAÚCHA